Porque os olhos ficam vermelhos em fotos?

É comum os olhos saírem vermelhos em fotos, principalmente quando tiradas em locais escuros. A mudança de cor acontece pela composição do olho humano. Embora a pupila seja preta, a retina é repleta de vasos sanguíneos que são refletidos quando tiramos fotos com pouca luz.

Pode reparar:
Esse efeito visual não acontece quando estamos em ambientes mais iluminados, já que as pupilas se contraem naturalmente, evitando que a luz chegue até esse ponto do olho.

Para evitar os olhos vermelhos, as máquinas fotográficas modernas possuem um sistema que dispara pequenos flashs antes de bater a foto, para que o olho se acostume com a luz. Caso sua câmera não possua esse sistema, olhe para um lugar relativamente claro antes de tirar a foto ou dispare antes algumas imagens com flash.

Você conhece seu histórico familiar?

Conhecer o histórico médico da família é essencial para se cuidar bem da saúde. E isso vale também para o cuidado com os olhos. Afinal, algumas doenças oculares se desenvolvem com mais facilidade se existem casos anteriores dela na família. Só que mesmo que você tenha herdado uma pré-disposição a alguma doença ocular, não significa que as chances de cura são difíceis: os efeitos podem ser revertidos se a doença for tratada cedo.
Um exemplo de doença que ganha mais chances de ser desenvolvida pela hereditariedade é o glaucoma. De acordo com a Glaucoma Research Foundation, se alguém da sua família teve a doença, você se torna até 9 vezes mais propenso a desenvolvê-la também. Outra doença facilitada pela hereditariedade é a degeneração macular.

O que fazer?

O seu oftalmologista deve sempre levar o seu histórico familiar em consideração durante as suas consultas regulares. Se existe algum caso de glaucoma na sua família, por exemplo, o profissional médico deverá ter atenção especial a exames de pressão ocular com o objetivo de monitorar qualquer indício de surgimento da doença. O histórico familiar é mais uma informação que o oftalmologista utiliza para cuidar melhor da sua saúde ocular.
Para isso, você precisa ter um bom diálogo com a sua família e descobrir estes problemas o quanto antes. Em muitos casos, parentes podem não ser tão abertos em relação a discutir doenças com a família, então é preciso assertividade e uma boa postura de diálogo. Assim que obtiver esta informação, você deve avisar imediatamente o seu oftalmologista.
Este é mais um caso em que fica nítida a importância de realizar consultas regulares ao oftalmologista. É somente através de um monitoramento constante que doenças oculares graves como o glaucoma podem ser detectadas cedo e ter seus efeitos completamente revertidos.

Trabalha o dia inteiro no computador?


Hoje em dia, existem cada vez mais profissionais de diversas áreas que passam o dia inteiro no escritório, diante do computador. Por mais que esta ferramenta seja excelente para trabalhar de forma produtiva, ela também traz alguns riscos para a sua saúde ocular se não utilizada de forma adequada.
Não se preocupe: você não precisa abrir mão deste recurso tão importante do seu dia a dia. A seguir, você confere algumas mudanças simples que podem fazer toda a diferença na sua saúde ocular ao utilizar o computador:

Faça pausas
Quando trabalhamos muitas horas seguidas diante do computador, os nossos olhos ficam fixos em uma distância única, que é a do monitor. Só que a musculatura deles precisa estar sempre em movimento constante para evitar problemas como fadiga ocular, dores de cabeça e aquela sensação de cansaço.
Portanto, é recomendável fazer pausas regulares no seu trabalho para deixar o computador e dar uma volta, nem que seja pelo escritório, mesmo. O importante é você tirar os olhos da tela do computador e focar em outros elementos, próximos e distantes. Este exercício precisa acontecer pelo menos a cada hora de trabalho. Isso vai ser positivo para a sua produtividade, também: você vai notar que, ao voltar, você estará com um gás novo para trabalhar.

Pisque mais
Os nossos olhos precisam de hidratação constante, tarefa que é executada pela produção lacrimal e estimulada pelas piscadas. Mas, você já percebeu que nós piscamos menos quando estamos diante do computador? Isso representa um perigo para a hidratação dos olhos, já que, com menos piscadas, o olho vai ficando seco.
Aí reside o perigo do desenvolvimento da síndrome do olho seco, um mal cada vez mais comum nesta era de gente constantemente conectada. Portanto, lembre-se de piscar mais quando estiver trabalhando. Isso fica mais fácil se você se comprometer a fazer as pausas propostas no item anterior. Apesar disso, o hábito de piscar regularmente precisa ser constante.

Ajuste sua mesa
Outros elementos além de você e do computador podem ter impacto na sua saúde ocular. A localização da sua mesa e do monitor podem influenciar nisso tudo, por exemplo. O primeiro ponto a considerar é a distância da sua cadeira para o computador. O ideal é que seja de, aproximadamente, 60 centímetros de distância.
Você também precisa ajustar o seu monitor de forma que não exista nenhum reflexo de luz vindo de janelas ou outras fontes de iluminação. Esta luz constante nos seus olhos faz mal para a saúde ocular, afinal. Por fim, você precisa ficar de olho no ajuste de brilho do monitor. Todos os modelos possuem alguma forma de ajustar a intensidade da luz da imagem e o recomendado é deixar em um nível mais baixo.

Converse com seu oftalmologista
Por último, mas não menos importante, lembre-se sempre de consultar o seu oftalmologista a respeito de como o seu dia a dia pode estar impactando a sua saúde ocular. Pode ser que ele tenha recomendações que possam fazer toda a diferença na forma como você trabalha e influencia a saúde dos seus olhos.
Além disso, você precisa realizar consultas regulares com o oftalmologista, já que muitas doenças oculares graves devem ser detectadas cedo para serem completamente curadas. Quando foi a sua última consulta?

Ceratocone

A diminuição da visão é a principal consequência do ceratocone, uma doença não inflamatória da córnea que acomete uma a cada duas mil pessoas.

O que é?

O ceratocone é uma doença que ataca a córnea (parte saliente e visível que, junto com a esclerótica, forma o envoltório externo do globo ocular), provocando o aumento de curvatura e a diminuição da sua espessura. Acomete ambos os olhos de maneira assimétrica e costuma aparecer na adolescência, progredindo até os 30-35 anos de idade, faixa etária de cerca de 80% dos pacientes, quando, então, tende a se estabilizar. Não se conhece bem ao certo a causa do ceratocone, mas estudos demonstram que é uma doença hereditária. Pacientes alérgicos estão mais predispostos a desenvolvê-la, possivelmente devido ao hábito de coçar os olhos.

Sintomas

O aumento da curvatura corneana leva ao aparecimento ou à piora da miopia e/ou astigmatismo, levando à visão “borrada”, trocas constantes do grau dos óculos, imagens fantasmas, aumento da sensibilidade à luz e presença de halos noturnos. O diagnóstico definitivo é feito com base nas características clínicas e com exames objetivos como a topografia corneana, que avalia a curvatura, e a paquimetria ultrassônica, que verifica a espessura da córnea.

Tratamento

O ceratocone não causa cegueira, mas pode ser debilitante à visão caso nenhum tratamento seja realizado. O tipo de tratamento varia de acordo com o estágio de evolução da doença, que vai do uso de óculos ou lentes de contato até a realização de cirurgia. A correção com óculos proporciona boa visão somente nas fases iniciais da doença, quando ainda não há astigmatismo irregular relevante. Quando o uso de óculos não é suficiente, são indicadas lentes de contato, preferencialmente rígidas, que promovam o aplanamento da córnea. Atualmente, existem lentes rígidas e gelatinosas especiais para ceratocone. Para conter a evolução da doença, é indicado o crosslink, tratamento cirúrgico realizado com a aplicação de uma vitamina que, em conjunto com uma luz ultravioleta, provoca o enrijecimento corneano, aumentando a resistência da córnea.

Dicas

• Filhos de pais com ceratocone devem ser orientados desde a infância a não ter o hábito de coçar os olhos, pois isso ajuda a não desenvolver ou, pelo menos, a não acelerar o processo da doença. Também devem ser realizados exames oftalmológicos periódicos, inclusive de topografia, mesmo quando não se apresenta sintomas na adolescência.
• Pessoas portadoras de ceratocone devem realizar acompanhamentos periódicos com seu oftalmologista.

Cuide da sua visão no Pré-Natal

É recomendável passar por uma consulta no oftalmologista no início da gravidez?

É aconselhável que a gestante faça uma consulta oftalmológica já no início da gestação.
Há situações que é necessário acompanhamento regular com o oftalmologista, caso das doenças com envolvimento visual pré-existentes que podem se agravar durante a gestação.

A mulher que usa óculos pode ter a graduação alterada durante a gestação? O que fazer?

Podem ocorrer alterações da refração durante a gestação, provavelmente por uma modificação no fluido, no estado hormonal, causando um edema da córnea. Também ocorrem alterações na curvatura corneana e do cristalino, o que impossibilita a prescrição de lentes de contato e de cirurgias refrativas a laser.

Dicas para as grávidas não desenvolverem problemas de visão durante a gestação.

É importante que as pacientes gestantes façam o acompanhamento com o ginecologista visando manter uma gestação saudável, com alimentação e ganho ponderal adequado, atividades físicas moderadas, controle rigoroso da pressão arterial e da glicemia e urinálise. Devem também fazer as consultas periódicas com oftalmologista no caso das doenças pré-existentes citadas ou no caso de qualquer queixa visual ao longo da gestação.